blog

Case: como a Eunos reconstruiu o galpão da distribuidora Colina em apenas 5 meses

Postado em 05 de outubro de 2018 | Eunos

Nenhum empreendedor imagina que a sua empresa, construída com tanto trabalho ao longo de anos, possa ser completamente destruída pelo fogo em algumas horas. Porém, foi exatamente isso que aconteceu com o galpão da distribuidora Colina, em Benevides na região metropolitana de Belém, no Pará.

Em novembro de 2016, o fogo tomou conta da empresa e destruiu completamente o galpão de estoque e a câmara fria da distribuidora de bebidas. A reconstrução era um verdadeiro desafio e a participação da Eunos no projeto foi crucial para colocar o galpão em funcionamento novamente no tempo mais curto possível.

Com bom planejamento e equipe técnica de alta competência, a Eunos ajudou a reconstruir um galpão de 14.000 m² em apenas 5 meses. Ficou curioso? Entenda como isso foi possível!

O que foi a obra na distribuidora Colina?

Depois do incêndio, os diretores da Colina precisavam de uma solução eficiente e ágil para recolocar a empresa em funcionamento o mais rápido possível. A obra envolveu a reconstrução e modernização completa do galpão de 14.000 m² e da câmara fria de 2.500 m². Veja os dados técnicos sobre a construção:

  • pé direito de 12 m de altura;
  • o galpão de produtos secos e a unidade de frios são interligados por um túnel de 30 m de comprimento;
  • fundação em estacas hélice que apoiam um conjunto de vigas de cintamento perimetral com 1,20 m de altura e 25 cm de espessura;
  • o cintamento contém um aterro compactado sobre o qual se apoia um piso de concreto armado com fibras metálicas, de resistência à compressão de 30 MPa;
  • superestrutura em estrutura metálica composta por pilares tipo caixa e vigas e tesouras treliçadas;
  • cobertura é em telhas zipadas que evitam a necessidade de emendas na construção tornando a cobertura muito mais estanque;
  • fechamento lateral feito com uma parte em alvenaria de blocos de concreto contrafiados até a altura de 6 m e complementado até o telhado por telhas trapezoidais pré-pintadas;
  • a unidade da câmara fria possui um sub-piso especial para resistir a temperaturas inferiores à 20°C negativos;
  • as paredes da câmara fria são feitas em painéis térmicos com miolo em poliuretano (PU);
  • no pátio de estacionamento e manobras, foi feito um piso intertravado hexagonal de concreto sobre colchão de areia e base em aterro laterítico compactado a 100% conforme o ensaio de Proctor Normal.

Quais foram os diferenciais do projeto?

Logo de cara, o galpão impressiona pelas suas dimensões e o vão livre de 120 m. Algumas características-chave diferenciam o projeto pela sua modernidade e alto nível de qualidade.

A primeira delas é o piso feito em fibras metálicas. Essa solução foi muito mais rápida de executar do que o piso em concreto armado tradicional com telas metálicas sobre caranguejos e espaçadores.

Outro ponto importante são as telhas zipadas. Nesse método, é usada uma telha única fabricada no local que atinge da cumeeira à borda do telhado sem emendas, o que garante a estanqueidade do telhado.

Um projeto deste tamanho e com um prazo tão apertado só poderia ser realizado por uma empresa altamente capacitada para a execução e gerenciamento da obra.

Por que a Eunos fez a diferença na construção do Colina?

A Eunos trabalhou no projeto com uma equipe técnica completa com engenheiros, equipe de campo e pessoal de segurança e administração num modelo chamado de engenharia do proprietário. Todas as decisões construtivas foram responsabilidade da Eunos, porém faturadas diretamente ao proprietário da obra para baratear o custo principalmente sob o ponto de vista tributário. Confira 3 pontos que fizeram a obra ser um sucesso!

1. Planejamento e agilidade

O projeto envolveu desafios em termos de segurança, logística e intempéries da natureza. A demolição da estrutura que foi comprometida demandou muito cuidado, pois o risco de acidentes era alto.

A estrutura de aço do galpão antigo ficou em ruínas e as peças estavam completamente retorcidas pelo calor do incêndio. A retirada da estrutura foi uma atividade de alto risco para as equipes de campo e consumiu 1/5 do prazo de execução.

Em termos de logística, as fibras metálicas tiveram que ser compradas em São Paulo pois não havia fornecedores em Belém. Essas fibras tinham uma posição de destaque na curva ABC e a chegada delas era crucial para cumprir o prazo.

Além do prazo, a quantidade também foi importante. Se o material fosse estimado para mais, haveria um acréscimo na tarefa de concretagem. Se fosse estimado para menos, não seria possível finalizar o piso e uma nova remessa de material demoraria 15 dias para chegar, consumindo tempo do prazo que já era apertado.

Por isso, foi necessário fazer o cálculo da quantidade necessária exata e realizar o pedido no tempo certo.

Além disso, a obra teve que ser realizada no período mais complicado em termos de clima da região. Havia um grande volume de chuvas diariamente com intempéries incessantes.

É claro que tudo isso só poderia ser superado com muito planejamento e foi exatamente isso que a Eunos fez.

Graças ao bom planejamento, o calendário da obra foi cumprido e o galpão de produtos secos foi renovado completamente entre os meses de fevereiro e junho, atendendo às expectativas dos clientes de ter uma obra curta.

2. Capacidade técnica

Para atingir esse prazo, a equipe da Eunos teve que tomar uma decisão técnica importante. Foi preciso quebrar um paradigma e inverter a ordem de execução entre blocos e pilares.

A ordem mais utilizada nas obras é construir os blocos antes dos pilares, contudo, devido ao prazo limitado para execução, a Eunos elaborou uma outra solução de engenharia.

Essa inovação permitiu a construção de um minibloco para inserção dos chumbadores para que, após a construção da estrutura montada e travada ainda sem carregamento, fosse executado o bloco de coroamento que sustenta o pilar. A solução técnica acelerou em 30 dias a execução da obra.

3. Controle total dos custos

Por fim, a Eunos ainda conseguiu superar as expectativas em termos de orçamento. Os custos ficaram 20% abaixo dos valores encontrados no mercado para esse tipo de obra!

Ou seja, por meio da junção de capacidade técnica, comprometimento e principalmente um bom planejamento, foi possível reconstruir a estrutura da empresa e colocá-la de volta em funcionamento dentro do prazo.

Gostou de conhecer mais sobre este projeto desafiador? Veja no vídeo todo o avanço da construção!